Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Pior que o chapéu de um trolha

Faltavam 20 minutos para a meia noite de 14 de Abril de 1912 quando o Titanic chocou com um iceberg a 640 km da Terra Nova. Em menos de três horas, o paquete estava no fundo do Atlântico e 1500 dos seus passageiros tinham morrido.

Uma das coisas que mais me impressionou no filme da James Cameron sobre o naufrágio do Titanic foi o facto (histórico) de o embate fatal não ter impedido a orquestra de ter continuado a tocar e os passageiros a dançar no luxuoso salão de baile da primeira classe.

Nesta Primavera de 2008, o nosso país assemelha-se perigosamente ao Titanic. No painel de bordo, só se vêem luzinhas vermelhas a piscar.

Nos últimos seis meses, 13 mil PME fecharam as portas, estranguladas pelo aumento do preço do dinheiro – entre 2005 e 2007, a taxa de juro bancária, para os empréstimos superiores a um milhão de euros, subiu 44,8%.  E a Associação Nacional das PME prevê que até Dezembro mais de 60 mil empresas vão cessar a actividade.

Em Janeiro, a carteira de encomendas externas afundou 10%, acumulando seis meses consecutivos de perdas. Nesse mesmo mês, o indicador coincidente da actividade económica do Banco de Portugal registou o mais acentuado recuo desde 1973 – e em Fevereiro a queda ainda foi mais significativa.

O incumprimento no crédito à habitação titularizado duplicou em dois anos, atingindo os 704 milhões de euros, fruto directo da subida das taxas média de juro, que, em Janeiro, já iam nos 5.55%.

O investimento e as exportações estão a abrandar e todos os indicadores gritam que esta tendência de forte desaceleração veio para ficar. As nossas vendas no mercado espanhol deverão cair 20% este ano, o que é grave pois o país vizinho é o destino de quase 1/3 das nossas exportações.

A coisa aqui está preta, mas o maestro Sócrates assobia para o lado, a orquestra que ele dirige continua a tocar, indiferente à crise, e os passageiros continuam dançar, como se nada de grave se estivesse a passar no paquete Portugal. Em Janeiro, o consumo das famílias cresceu 2,3% e os empréstimos para a compra de habitação subiram 8,4%.

A palavra crise foi banida do vocabulário do primeiro ministro, que demonstra assim ser tão supersticioso como aquelas pessoas que se recusam a falar no mau – e que se o fazem tocam logo a seguir em madeira com os nós dos dedos.

Não acredito que Sócrates acredite que uma pequena economia aberta como a nossa possa escapar ao vendaval que atira os Estados Unidos para a recessão, deixa a Europa a roer as unhas e pôs ponto final a um formidável período expansionista espanhol.

Sócrates sabe que a nossa economia está a ficar doente, mas convenceu-se que falar na doença pioraria  o estado do paciente.  O problema é que ele não é mágico - e o simples facto de não falar na crise não vai, infelizmente, fazê-la desaparecer.

O país ganhava se o primeiro ministro resolvesse falar-lhe verdade, explicando que há uma crise, que a nossa economia está pior que o chapéu de um trolha - e que todos temos de trabalhar mais e melhor para conseguirmos manter a cabeça fora de água.

Jorge Fiel

www.lavandaria.blogs.sapo.pt

Esta crónica foi publicada no diário económico Oje (www.oje.pt)

 

 

63 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D