Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Olhe, por favor, para a cara das empregadas da Loja das Sopas

 

Sou um fã da Loja das Sopas. Parece-me bom negócio pagar 4,70 euros e receber em troca uma taça de salada  (com feijão, pepino, tomate, beterraba, feijão, etc) regada com azeite, uma sopa, um pão e uma água – e ainda a consciência tranquila por ter optado por uma refeição saudável.

A Loja das Sopas é um exemplo das novas e bem sucedidas cadeias de restaurantes que fazem surf em cima da onda crescente de preocupação dos cidadãos com a forma física e com que lhe põem no prato .

O segredo reside na hábil combinação entre a tendência dominante no comportamento social com os eficazes métodos e organização das marcas tradicionais de “fast food”, como a McDonald’s e a Pizza Hut.

O sucesso da Loja das Sopas baseia-se na capacidade de tatuar a etiqueta “saudável” na sua imagem. O resto já tinha sido inventado: comida barata, padronizada, servida rapidamente.

A Loja das Sopas é uma das faces visíveis do triunfo do fenómeno “low cost” que está a revolucionar as economias ocidentais, transferindo o poder dos produtores para os consumidores.

Este mundo - em que almoçamos na Loja das Sopas, viajamos na Ryanair, compramos o sofá na Ikea, vestimo-nos na Zara e lemos os jornais gratuitos – está a dar razão a Américo Amorim, o homem que ganhou o seu primeiro par de sapatos quando acabou a escola primária e construiu a maior fortuna deste país usando como lema a máxima “mais do que zero é muito”.

A moda “low cost”  é uma epidemia que contagiou todas as esferas da actividade económica.

A procura dos carros “low cost”  (marca Dacia) da Renault na Europa obrigou o fabricante francês a aumentar a capacidade de produção e a construir uma nova fábrica.  A Fiat, Toyota e Honda também estão a preparar-se para criar marcas de baixo custo.

Na aviação, a galopante conquista de quota de mercado pelas “low cost” a obrigou companhias tradicionais a adaptarem-se às novas regras. Na sua luta pela sobrevivência, a TAP está a investir um milhão de euros numa segmentação em quatro categorias diferentes da tradicional classe económica, um movimento que tem como objectivo captar os passageiros que acham que “mais que zero é muito” e querem pagar o mínimo possível.

A globalização ajudou à massificação desta nova classe de consumidores que exigem serviços e produtos a preços reduzidos.

Para não morrerem afogadas pela maré “low cost”, as empresas portuguesas estão obrigadas a baixar os seus custos de produção. Para que as nossas empresas se mantenham competitivos num Mundo em que o poder está na carteira dos consumidores, o Governo não pode ceder na flexibilização da legislação laboral.

Da próxima vez que passar numa Loja das Sopas olhe, por favor, para a cara das pessoas que lá trabalham e tente adivinhar se alguma delas tem contrato para a vida e ganha horas extraordinárias.

Jorge Fiel

 www.lavandaria.blogs.sapo.pt

Esta crónica foi publicada no Diário de Notícias

 

93 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D