Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

É um péssimo negócio ter filhos

É oficial. Os cemitérios passaram a estar mais animados do que as maternidades. Em Portugal, no ano passado -  e pela primeira vez desde a terrível epidemia de gripe espanhola de 1918 -, morreu mais gente do que nasceu.

 

O recuo demográfico não é bom para a economia e não me espanta. É um péssimo negócio ter filhos. E eu sei do que falo porque tenho três filhos que adoro mas que arruinaram qualquer hipótese de atravessar esta vida financeiramente desafogado.

 

Calcula-se que um filho custa em média entre 300 a 500 euros por mês. Fiz as contas, somei os 95 meses do João com os 339 do Pedro e os 422 e os 422 da Mariana  e conclui que a minha cruzada particular contra a quebra da taxa da natalidade me custou até agora entre 268 mil e 448 mil euros. É muito dinheiro.

 

O retorno deste investimento, o maior que fiz em toda  minha vida, é muito problemático numa sociedade como a nossa em que os filhos são o sol em torno do qual giram os pais.

 

Além de nos consumirem uma apreciável quantidade de dinheiro, os filhos condicionam a escolha dos locais para férias e toda a nossa vida social. Desde bebés que se habituam a ser uns ditadores do lar, que choram e amuam se não lhes fizermos logo as vontades.

 

Depois crescem e passam a olhar para nós como se fossemos caixas Multibanco ambulantes e privativas, sem limite de levantamentos. E, não raro, já marmanjões, com o curso feito, teimam em não desamparar a loja paterna.

 

Nem sempre foi assim. Durante séculos, as crianças contribuiram para a economia familiar, guardando rebanhos ou apanhando batatas. Depois, a Revolução Industrial atirou-as para as fábricas e as minas, até que no século XX foram inventados os conceitos de infância, ensino obrigatório e a pílula. Resultado: nunca na história da Humanidade os filhos foram tão inúteis e tão adorados.

 

Num tempo em que a marca de água é a solidão, o eventual rendimento em afecto do pesado investimento em fazer e criar filhos é demasiado curto -  a não ser que nos calhe na rifa sermos pais de um Cristiano Ronaldo...

 

Como a principal riqueza de um país são os seus habitantes, faz parte das atribuições do Governo criar condições para que seja bom negócio ter filhos. O que significa, entre outras coisas, facilitar a vida aos pais trabalhadores (criando, por exemplo, um rede de creches com horários alargados compatíveis com as exigências actuais do mercado de trabalho) e tornar fiscalmente atractivo ter filhos -   neste último particular recomendo a leitura atenta da legislação nórdica.

 

Se não se fizer isso, não tardará muito a que o português se junte ao lince da Malcata na lista das espécies em vias de extinção.

 

Jorge Fiel

 

www.lavandaria.blogs.sapot,pt

 

Esta crónica foi publicada no Diário de Notícias

 

51 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D