Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

A culpa é toda do Paulo Macedo

Nunca fui muito de doces. A minha perdição são os queijos e os presuntos, mas tenho-me forçado a disciplinar o seu consumo.

 

Um S. Jorge picante, um Manchego  muito curado e um Parmesão apimentado constituem a base da minha tábua de queijos. Guardo o Serra para o Natal. É o mais maravilhoso dos queijos, mas cada colherada equivale a um chuto de colesterol administrado directamente na veia. E só compro Roquefort quando me oferecem uam botelha de vinho que precisa dele como companhia.

 

Tenho-me inibido de levar para casa presuntos e salpicões, mas, caramba, um homem não é de ferro,  e por isso não resisto a tentaçôes como a que me foi feita, esta semana, pelo Pedro do Solar dos Presuntos que me pôs à frente um prato de pata negra verdadeiramente extra-terrestre.

 

É por estas e por outras que compreendo perfeitamente o alcance da decisão de Ulisses em se amarrar ao mastro para evitar ser vítima do sedutor canto das sereias. Só mesmo com as mãos amarradas eu resitiria à sedução das finas fatias de presunto.

 

Os pecados do queijo e do presunto já teriam atirado  para patamares preocupantes  os meus niveis de colesterol, se não se desse o caso de eu tomar diariamente um comprimido de pravastatina. 

 

Reconheço que este regime de tomar o antidoto a seguir a ingerir o veneno  não é o mais recomendável.

 

Seria muito mais saudável reduzir à mozarela fresca com azeite, rodelas de tomate e oregãos o meu apetite por queijo. E ignorar olimpicamente o pata negra, preferindo concentrar as atenções no polvo à galega - ou nos pimentos em azeite recheados com barriga de atum, produzidos pelo Rui_Madeira .  Mas eu não sou o único a optar pela solução fácil e preguiçosa para atacar os problemas.

 

Quando tomou posse, este Governo  tinha em cima da mesa  o problema sério do défice excessivo. O_Estado gastava mais dinheiro do que o que recebia - para além dos 3% da tolerãncia máxima que Bruxelas fixou para quem quer fazer parte do clube euro.

 

Sob a batuta de Ferreira Leite, a gerência anterior foi contornando ardilosamente a questão.  Compunha as contas vendendo activos. Bruxelas fechava os olhos, mas era batota e não se tratava de uma solução de futuro porque, mais tarde ou mais cedo, a  familia deixaria de ter jóias para vender.

 

A solução de Sócrates é mais engenhosa. Tinha duas alternativas:  cortar na despesa ou aumentar  as receitas. Apostou nesta última e ganhou. A máquina  de cobrança fiscal, dirigida por Paulo Macedo, extorquiu aos contribuintes o dinheiro necessário para trazer o défice abaixo dos 3% e assim o Estado pôde continuara gastar como dantes.

 

O aumento extraordinário da receitas dos impostos foi a pravastatina de um Estado gordo que se mantém anafado,  a comer queijo,  presunto e salpicão.

 

O problema é que não se pode tirar sangue das pedras e os contribuintes estão exangues. O regime de terror fiscal já rapou o fundo do tacho. Agora o Estado tem de começar a fazer dieta - a gastar menos. Já o devia ter começado a fazer há muitos anos . E se não o fez a culpa foi da eficácia do Paulo Macedo.|

 

Jorge Fiel

 

www.lavandaria.blogs.sapo.pt

 

Esta crónica foi publicada no DN

 

44 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D