Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

O cágado em cima da árvore

 

Um velho provérbio umbundo avisa-nos que se virmos um cágado em cima de uma árvore é porque alguém o pôs lá.

A chave para a compreensão do Mundo está em complementar este pedaço de sabedoria milenar africana com o ensinamento do estupendo diálogo de “O Peso da Prova”, um thriller de Scott Turow:  “Sabes por que é que os cães lambem os tomates?... Porque podem!”.

Estas duas lições de vida vieram-me logo à cabeça quando a Via Verde me tomou de ponta e expulsou.

O caso conta-se rapidamente. Eu tenho dois carros (uma carrinha Fiat Marea cinzenta de 2001 e um Mini Clubman branco de 1974) ambos equipados com identificadores comprados à Via Verde e validados pelo mesmo cartão Multibanco do Santander.

O meu amigo Luís Mergulhão, um dos gurus da publicidade em Portugal, não usa a Via Verde, argumentando que o identificador deveria ser oferecido pelos concessionários, que são quem mais lucra com o sistema, pois poupam a despesa com portageiros.

O argumento é bom, mas o conforto de não ter de parar nas portagens (acrescentado da dispensa da busca a máquina de pagamento em muitos parques de estacionamento) pesou mais na minha balança e comprei os identificadores.

A nossa relação foi feliz até que, no mês passado, a Via Verde abriu as hostilidades, sem prévia declaração de guerra, sob a forma de um telefonema e duas cartas.

Senti-me como os americanos a seguir a Pearl Harbour. Pelo telefone, alegaram que o cartão Multibanco associado aos identificadores tinha deixado de funcionar. Eu respondi que ele está vivíssimo da Silva, funciona às mil maravilhas (apesar de preso com fita-cola) e está dentro da validade.

Não acreditaram em mim e vieram as cartas. Na primeira, a advogada Maria Antonieta Ribeiro ameaça sentar-me em tribunal, acusando-me de dever 2,15 euros à Via Verde. Na segunda, o director Carlos Tavares de Carvalho gasta duas páginas A4 a comunicar que está tudo acabado entre nós, fundamentando a ruptura no facto do meu cartão Multibanco estar “em situação de inibição” – o que, repito, não é verdade.

Pensei em retaliar, imitando as famílias que despejam cimento nos esgotos antes de abandonarem as casas de que foram desalojadas pelos bancos. Abandonei a ideia, porque o pior que posso fazer à Via Verde é não comprar mais identificadores.

Pensei em imitar o Paulo Branco, que se queixou à Autoridade da Concorrência da Zon estar a dar borlas para as salas da sua concorrente Lusomundo. Ainda não abandonei esta ideia, pois a Via Verde é monopolista e abusa da posição dominante – tal como as concessionárias das auto-estradas que nos obrigam a pagar a portagem por inteiro quando há longos troços em obras.

Decidi perguntar no meu banco se eles conseguem resolver o assunto. O Santander trata bem os clientes, porque sabe que eu se me sentir mal tratado posso mudar para outro banco. A Via Verde trata-me mal porque pode - sabe que a única alternativa que eu tenho é fazer fila para pagar a portagem. A Via Verde é um cágado que o Estado pôs em cima da árvore.

Jorge Fiel  

www.lavandaria.blogs.sapo.pt

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

 

16 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D