Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

A imaginação ao poder!

O que mais me custou durante os quatro meses que estive em Mafra não foi a patrulha das 24 horas non stop, fazer o rappel e o slide, andar no pórtico ou ter passado completamente encharcado a semana de campo, no Sobral de Monte Agraço.

O que mais me custou durante a recruta e a especialidade não foi habituar-me a obedecer sem pensar, as marchas/corridas até à Ericeira ou ser acordado a meio de noites mal dormidas e ter de arranjar tempo e concentração para me iniciar nos cálculos do tiro curvo (morteiro) e tenso (canhão 90 e LGFs).

O que mais me custou durante a minha estadia na ala do Convento ocupada pela Escola Prática de Infantaria não foram tão pouco as brincadeiras irresponsáveis com granadas ofensivas que custaram o braço e ouvido direitos ao aspirante instrutor, a duas semanas dele passar à peluda.

O que mais me custou fazer na tropa foi o salto no escuro. Eu explico. Totalmente equipados (mochila, capacete, cantil cheio e G3) saltávamos para o escuro, numa noite de Inverno e sem estrelas, na Tapada de Mafra.

Não víamos nada. Népias. Sabíamos que iríamos aterrar, mas não fazíamos a mínima ideia de como armar o salto ou flectir as pernas, porque a terra firme tanto podia estar à distância de 30 centímetros ou de dois metros. Acho que todos temos medo de mergulhar no desconhecido.

Peço desculpa por me alongar com esta história. Nós, homens, não nos conseguimos calar quando começamos a recordar episódios da tropa. Mas a verdade é que esta ideia do salto no escuro é a imagem mais aproximada da situação que vivemos.

Sabemos que o inevitável processo em curso de destruição de riqueza vai acabar um dia, mas não sabemos quando, nem até que ponto os governos vão conseguir controlar os danos.

“Vou ter de apagar a tabuada que aprendi e usei até ao ano passado”, confessou, num curioso misto de lucidez e candura, Berardo, um dos protagonistas da festa que acabou em tragédia.

Joe tem razão. Temos de admitir que 2 + 2 possam já não ser 4. Temos de aceitar que vamos ter de usar uma nova gramática na construção do um novo modelo de vida que vai nascer nos escombros do velho.

As velhas receitas não servem no combate a novos problemas, da mesma maneira que os antibióticos eram eficazes no combate à Sida.

A resposta não está em tentar descobrir variantes dos convencionais 4x4x2 ou 4x3x3 das teorias económicas. Os novos e atribulados tempos exigem novas e arrojadas soluções e o fim dos dogmas - que, como dizia Mao, são menos úteis que a bosta de boi, pois esta ao menos serve de estrume.

Uma nova elite vai ter de emergir-se e afirmar uma cultura desprovida do medo do fracasso. Como nos veio cá lembrar Kjell Nordstrom, “aceitar socialmente o falhanço é essencial, por que falhar é a chave da inovação”.

Afinal, a chave do sucesso foi inventada há quase 41 anos e esteve escrita nos muros de Paris: “A imaginação ao poder”.

A inovação e a criatividade são as únicas ferramentas que nos permitirão sair do buraco em que vamos cair quando aterrarmos do salto que estamos a dar no escuro.

Jorge Fiel

www.lavandaria.blogs.sapo.pt

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

 

32 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D