Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Hoje somos todos boavisteiros!

Ontem foi um dia triste para os boavisteiros – oito anos depois de terem sido campeões, caíram na terceira divisão e  muito provavelmente não lhes resta alternativa senão a de imitar o Salgueiros e trilhar o caminho do calvário.

Impedido, pelas dívidas, de inscrever jogadores no escalão sénior de futebol, o Salgueiral arranjou um irmão gémeo, o Salgueiros 08, que começou este ano tudo de novo, a partir do último escalão, a II Divisão Distrital da Associação de Futebol do Porto.

Ontem foi um dia alegre para o FC Porto, que comemorou o tetra, pela noite dentro, com o autocarro que transportava os campeões a passar ao lado os Paços do Concelho, de fachada limpa e iluminada, mas de porta fechada (para o ano, se tudo correr bem, o penta será festejado outra vez da varanda).

Ontem foi um dia alegre para o Salgueiros 08, que se sagrou campeão da II Divisão da AF Porto ao derrotar uma vez mais o Aliança da Gandra.

Ontem foi um dia triste para o Boavista. Mas como tristezas não pagam dívidas, ‘bora aí Bessa, vamos levantar essa cabeça que o futebol precisa das vossas camisolas "esquisitas”.

Ontem foi um dia igual a muitos outros, nos últimos oito anos, no Porto, porque o presidente da Câmara não esteve no Bessa, a dar força ao seu clube no momento mais difícil da sua vida – nem esteve nos Paços do Concelho a receber os tetracampeões nacionais, nem na Senhora da Hora a festejar a subida do Salgueiros 08.

Hoje somos todos boavisteiros!

Jorge Fiel

www.lavandaria.blogs.sapo.pt

Carlos Abreu

Da primeira vez que foi presidente, o Salgueiros estava na I Divisão e a filha, de sete anos, perguntou-lhe porque é que ele não contratava o Maradona – e não se ficando com a desculpa dele (“Não temos dinheiro”), sugeriu-lhe a solução: “Passa um cheque!”.

Para Carlos Abreu, a deplorável situação de haver clubes da I Liga sem dinheiro para pagar aos jogadores, é culpa de dirigentes que adoptaram a atitude infantil de passarem cheques, mesmo sabendo que nunca teriam cobertura.

“Os clubes habituaram-se a viver acima das suas possibilidades”, afirma Carlos Abreu, 52 anos, que optou pelo creme de cenoura e courgette como entrada para o nosso almoço na varanda do Terra.

Em 1985, quando foi eleito presidente, o Salgueiros ameaçava naufragar, com um passivo de 50 mil contos que crescia à razão de mais 20 mil por ano. Mas ele não era um maçarico. Aos 18 anos comprara, com dinheiro emprestado e pelo preço das dívidas, o MGC, um clube de futebol amador do Porto, onde jogaram Zé Pedro Aguiar Branco (ex-ministro da Justiça) e Zé Guilherme Aguiar (ex-presidente da Liga de Clubes).

Apesar de ter reduzido o orçamento, conseguiu, durante o seu primeiro consulado  (85-95),  um recorde de permanências na I Divisão, um 5º lugar e uma inédita presença na Taça UEFA, onde o Salgueiros foi eliminado nos penaltis por um Cannes liderado pela jovem estrela Zidane.

“É preciso resistir à tentação de passar o cheque e ter a coragem de dizer aos jogadores que não podemos pagar mais – e se eles querem mais que vão para outro clube!”, afirma este jurista que há 14 anos trocou a barra pelo imobiliário.

Deixou o Salgueiros em 95, por o presidente da Câmara (Fernando Gomes) não ter viabilizado o seu projecto de construção, na Arca de Água, de um novo estádio, com seis mil lugares, e um centro de estágio -  enquanto que o velho Vidal Pinheiro daria lugar a habitações.

“Deixei de ter cenoura à frente para me fazer correr. Vim-me embora. Não queria ficar a comer palha”, explica. Nos dez anos seguintes, o Salgueiros - fundado em 1911 por um grupo de miúdos de dez anos, onde se contava o futuro pintor Henrique Medina, que se reuniam junto ao lampião 1047 da rua da Constituição -  desceu aos infernos por obra e graça da gestão pouco honesta e despesista do sucessor de Abreu. Em 2004, extinguiu o futebol profissional, em virtude de 1,5 milhões de dívidas a antigos jogadores.

No sítio do campo Vidal Pinheiro, onde Norton de Matos fez o maior comício da sua campanha presidencial (o que valeu ao Salgueiros ser olhado de lado pelo regime salazarista), passou a estar uma estação de metro – e as dívidas do clube ascendiam a 20 milhões de euros.

Este cenário dantesco não assustou Abreu, que regressou à presidência prometendo pagar tudo (“não vai ser fácil mas temos de o conseguir”). Ou seja, tem uma cenoura à frente. Com a ajuda dos três mil sócios, já abateu quatro milhões ao passivo e mantém 300 atletas em actividade. No pólo aquático é campeão nacional (e já ganhou 12 títulos seguidos). No futebol, os juniores subiram e os juvenis estão quase.

Nos seniores, Abreu teve de inventar. Fundou o Salgueiros 08, que disputa II Distrital da AF Porto com uma equipa de velhos (jogadores dos tempos da I Divisão, como Renato, Cao e Fernando Almeida) e crianças (ex-juniores), treinada por Pedro, o antigo capitão que tem uma empresa de gestão de condomínios.

Todos jogam por carolice (só ganham 50 euros de prémio de jogo) e apesar de estar na última das divisões, o Salgueiros orgulha-se de ter uma assistência média de 4 000 espectadores, que o coloca em 13º lugar de todos os campeonatos, à frente de clubes da Liga Sagres. Para o ano, o Porto Canal vai dar em directo os jogos, o que vai facilitar a angariação de um patrocinador.

Hoje é um dia duplamente importante para Carlos Abreu. No Estoril, ao volante de um Alfa Romeu Sprint amarelo,de 81, ele vai tentar terminar a sua primeira prova do Nacional de Clássicos. E em Paredes, o Salgueiros 08 defronta o Aliança da Gandra no primeiro jogo do play off de apuramento do campeão da II Distrital da AFP. Estou a fazer figas por eles.

 

Menu

Restaurante Terra

R. do Padrão 103, Porto

2 Menu Primavera ... 30,00 euros

Creme de cenoura e courgette

Falsos raviolis de bresaola, ricotta e ervas

2 Lulas recheadas com puré de ervilhas

4 copos de Silverlake, Sauvigon Blanc neozelandês… 16 euros

Total….. 46 euros

 

Jorge Fiel

www.lavandaria.blogs.sapo.pt

Este artigo foi hoje publicado no Diário de Notícias

Boavista e Salgueiral

 

O Salgueiros acabou com o futebol profissional há uns anos - foi forçado a isso por não ter dinheiro para pagar a ninguém.

(O mesmo aconteceu ao Alverca mas isso são contas de outro rosário). O Salgueiros ficou sem estádio e quase sem nada, sem a Câmara do Porto deitar uma lágrima. Que diabo, o "Salgueiral" era uma instituição antiga da cidade e merecia alguma atenção. Quenão teve.

O Boavista corre um risco sério também no futebol profissional. Aliás, creio que a diferença que se criou entre o Boavista e o Salgueiros nos últimos 40 anos teve como causa a família Loureiro - se por acaso Valentim tivesse optado pelo Salgueiros, o clube de Paranhos ainda hoje teria estádio, equipa e muito mais.

Não sei o que vai acontecer ao Boavista, que não tem hoje nem liderança, nem dinheiro, mas tem um número de adeptos já não negligenciável e tem activos (o estádio, nomeadamente) e já tem identidade. Os 40 anos da família Loureiro podem ter acabado mal, mas é injusto não reconhecer tudo o que conseguiram para o clube "de uma rotunda".

Acho que a cidade do Porto precisa de um segundo clube na I Liga, muito embora o Porto hoje possa ser uma unidade que compreende Matosinhos, Vila do Conde, Póvoa, Penafiel - ou Trofa (saravá Trofense!). É uma questão de unidade citadina ou metropolitana.

Do que o Boavista precisa é de encontrar uma nova família que tenha capacidade de liderança para perceber que o clube até pode passar uns tempos difíceis nos próximos anos - os clubes são como a economia, têm ciclos bons e maus - mas tem futuro.

Manuel Queiroz 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D