Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Beatriz Rubio e Manuel Alvarez

 

Beatriz, economista, 44 anos, e Manuel, jurista, 46 anos, são donos de um segredo valiosíssimo. Sabem como fazer felizes três mil colaboradores que apesar de não terem ordenado fixo estão tão satisfeitos que, com as suas respostas a inquéritos confidenciais, ajudaram a Re/Max a ser eleita como a melhor empresa para trabalhar em Portugal, interrompendo o longo reinado da Microsoft, que apaparica os empregados um enorme rol de regalias grátis, como fruta, iogurtes, massagens, serviço de concierge, ginásio, etc.

Beatriz e Manuel são um casal. Começaram a namorar em Saragoça, a terra natal dela, onde ele (natural de Badajoz), estudava porque o pai, bancário, aí tinha sido colocado pelo BBVA. Olhando para eles universitários, vê-se logo que são ambos da mesma madeira. Nas férias grandes, ela trabalhava no El Corte Ingles (“começou a vender cuecas de homem”, brinca Manel), onde se revelou um vendedora de primeira água e ganhava dinheiro para o resto do ano. Ele, desdobrava-se em ganchos diversos, desde fazer as férias de porteiros, até ser ajudante de armazém, passando pela recolha de lixo.

“Decidimos começar a vida com ordenados melhores”, diz Beatriz, explicando por que é que ambos fizeram o MBA antes de se mudarem para Madrid e atacarem o mercado de trabalho. Beatriz fez pontaria a L’Oreal, onde começou como gestora de tintas para o cabelo. A auto-confiança dela era tal que declarou-se disposta a trabalhar seis meses sem receber salário - não foi preciso (entrou a ganhar meio milhão de pesetas/ano). Manuel (que começara em Saragoça a ganhar 65 mil pesetas/mês para contar alfaces e outros perecíveis em armazéns da Eroski) foi trabalhar para o imobiliário dos supermercados Dia.

Estavam apenas na casa de partida, pois queriam experimentar viver no estrangeiro e ter o seu próprio negócio. Foi em Portugal que concretizaram os dois sonhos.  “Vim para Lisboa pela primeira vez em 1987, na minha viagem de finalista. Lembro-me de ter passado por Cascais e pensado que não me importaria mesmo nada de viver aqui”, conta Beatriz, que agora mora com Manuel e os filhos (Marta, 14 anos, Patrícia, 12, e Manel, três) numa casa na Quinta da Marinha.

De entrada, picamos uns pimentos de Padron (nenhum deles especialmente picante), antes de Beatriz se decidir pela dourada, acompanhada por água. Manuel acompanhou o bacalhau com uma caña e encomendou uns deliciosos pastéis crocantes para a sobremesa. O almoço foi na Quinta da Beloura, onde está o quartel general da Re/Max que comanda o exército de três mil vendedores satisfeitos da vida, aquartelados em 220 agências, que o ano passado fizeram 26 mil transacções (das quais dez mil arrendamentos).

Foram os supermercados Dia que puseram Lisboa na rota do casal. Em 93 disse que sim quando o desafiaram a tripular a expansão da cadeia em Portugal. Cinco anos, depois abalançaram-se a investir num parque de campismo,  em Alcochete, com 800 camas, para turistas que vinham ver a Expo 98.  Como a coisa correu bem, puseram o nariz no ar para farejar oportunidades de negócio. Manuel gostou tanto da filosofia de repartição de comissões da Re/Max que quatro dias bastaram para meter a cave. Dois dias na convenção, em Toledo, da filial espanhola, decidiram-no a voar até Denver, onde comprou o direito a desenvolver em Portugal a rede Re/Max, em regime de franchise.

Com excepção de 2008 (onde as vendas caíram 7%) têm sido dez anos venturosa, com facturação sempre a subir na casa dos dois dígitos, curiosamente ajudados pela crise no imobiliário. “Como é mais difícil vender uma casa, as pessoas recorrem aos profissionais”, explica Manuel. As vendas directas ainda valem cerca de metade do mercado.

Beatriz resume na palavra “motivação” a explicação para a felicidade dos três mil vendedores sem salário fixo. Mas o dinheiro que levam para casa ao fim do mês também dá uma ajuda. Em 2009, a média do rendimento anual dos mediadores Re/Max rondou os 22 mil euros, mas o melhor vendedor ganhou 400 mil euros, e há cerca de duas dezenas que acumularam comissões superiores a  100 mil euros.

Jorge Fiel

Esta matéria foi hoje publicada no Diário de Notícias

 

Menu

q.b. Restaurante

Quinta da Beloura, Sintra

Couvert … 3,75

1 litro água … 2,00

Pimentos padron … 7,50

Lombo de Dourada com legumes e batatinhas salteadas … 14,00

2 Bacalhau lascado com migas de broa à ribatejana … 32,00

2 imperiais … 6,00

2 pasteis q.b. … 11,00

3 cafés … 4,50

Total… 78,75

 

 

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Cheap SEO 23.03.2011

    pena ver comentários assim de pessoas brilhantes como eles 2
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2012
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2011
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2010
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2009
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2008
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2007
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub