Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Como lidar com a ressaca

 

Há duas maneiras de lidar com a ressaca. A tentação é de aliviar o mal-estar repondo os níveis de álcool no sangue. Mas a solução boa e duradoura consiste em tirá-lo do organismo, o que implica uma certa dose de sacrifício.
Na ressaca de duas décadas de bebedeira despesista, o Governo Passos não teve outra solução senão recorrer ao atalho de meter mais álcool para a veia. Os seis mil milhões dos fundos de pensão da Banca compuseram as contas de 2011 e permitiram-nos cumprir o prometido à troika, mas debilitaram a Segurança Social que assumiu responsabilidades com bancários que implicam uma despesa anual suplementar estimada em 500 milhões de euros.
Teve de ser, e o que tem de ser tem muita força, mas foi uma espertice igual à dos miúdos nórdicos que fazem xixi nas calças para aquecer as pernas que estão a tremer de frio. No imediato, dá resultado, mas a prazo ainda vão sofrer mais.
As estatísticas do primeiro trimestre confirmaram o que já se suspeitava: a Segurança Social é a mais perigosa das bombas-relógio que o Governo tem nas mãos, pois a sua sustentabilidade assenta no delicado equilíbrio entre uma série de variáveis tão voláteis como o desemprego, inflação, envelhecimento da população, esperança de vida e crescimento da economia.
De janeiro a março, o buraco da Segurança Social agravou-se à razão de 3,3 milhões de euros/dia, devido ao efeito conjugado da quebra de 2,5% nas contribuições e do aumento de 23% nas despesas com reformas e subsídio de desemprego.
O congelamento dos subsídios aos pensionistas e das reformas antecipadas não é senão o início de uma série de medidas de emergência que visam conter as proporções de um incêndio ateado pelo aumento do desemprego e a recessão e que se propaga a uma enorme velocidade no terreno seco de um sistema em que há cada vez menos a descontar e mais a receber.
Não é preciso ser um Einstein para perceber a insustentabilidade do sistema pay-as-you-go em que assenta a nossa Segurança Social, em que os que estão no mercado de trabalho descontam parte do ordenado para pagar as pensões dos que estão na reforma - na expetativa (otimista) de que mais tarde, quando chegar a sua vez, haverá outros a descontar para lhes pagar a reforma.
O ideal, mas impraticável neste momento, é o modelo sueco, em que há um desconto mínimo obrigatório para o regime público, e acima de um determinado montante (três a cinco salários mínimos), o contribuinte é livre de entregar a públicos ou privados a gestão da sua poupança para o futuro.
Enquanto o estado lamentável das contas públicas não permitir a evolução para este regime de plafonamento de contribuições e reformas, o Governo não pode nunca esquecer que neste particular das reformas está a brincar como o fogo, com o dinheiro que os contribuintes pouparam ao longo de uma vida - e entregaram nas mãos do Estado para acautelar a sua subsistência futura quando por alguma razão tiverem de deixar de trabalhar. Trata-se, por isso, de dinheiro sagrado.
Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Jornal de Notícias

 

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Trabalho Policial 04.05.2012 23:43

    O trabalho da polícia na Grande Lisboa está cada vez mais difícil devida à grande quantidade de imigrantes da andradelândia que chegam diariamente à CAPITAL.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2012
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2011
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2010
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2009
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2008
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2007
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D