Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

"Coçar as costas" à portuguesa



Coçar as costas é algo que todos fazemos ou fizemos. "Backscratching",em inglês - desculpem a minha anglofilia - designa, no meu conceito, o que acontece na sociedade quando alguns têm que dizer bem de outros para que estes outros, um dia qualquer, digam bem deles, ou os defendam em situações difíceis.

Por exemplo, num dos jornais deste fim-de-semana, João Salgueiro fazia o 'backscratching' de Vítor Constâncio, dizendo que as explicações dadas pelo governador do Banco de Portugal a propósito da sua actuação no caso do BCP eram claras e suficientes.

Há uns quinze dias, o antigo ministro das Finanças e antigo colega de Constâncio na governação do BdP, também lhe coçava as costas num belo artigo no Público em que, basicamente, dizia que era melhor verem as culpas dos auditores do banco, que não viram - como deviam - que alguém tinha criado 17 sociedades off-shore para serem veículos compradores das acções do banco em aumentos de capital que não tinham tido aderentes suficientes.

Os "back scratchers" - gosto tanto da expressão que só não a pus em título porque tive medo que o o engº Sócrates, visitante deste blog, não tivesse dado esta lição na sua cadeira de Inglês Técnico - os 'back scratchers', dizia, são 'has been' ou 'wannabes', quer isto dizer, desculpem outra vez a minha anglofilia,  gente que 'já foi' ou 'quer ser', como precisamente acontece com Salgeuiro e Campos e Cunha (que tem uma magnífica reforma do Banco de Portugal, note-se, apesar de ser ainda relativamente jovem). E portanto, coçar as costas é o mais natural em partes importantes da sociedade portuguesa.

Alguém acha que as explicações de Constâncio foram boas? Alguém percebeu o que aconteceu no BCP? Quando muito sabe-se que Constâncio não deu conta de nada e que Carlos Tavares também não sabia e que Teixeira dos Santos, que foi presidente da CMVM, idem aspas. E que aplicamos as melhores práticas do mundo na regulação bancária, 'dixit' ainda Constâncio, mas há 12 milhões de operações activas no mercado de capitais e não se pode ver todas. Mas ainda não vi Constâncio propor nenhuma medida para inovar essas melhores práticas e tentar fazer ainda melhor, como é seu dever. Porque se as melhores práticas são estas, como é que o governador faz com operações de capitais vindas de sítios às vezes muito estranhos que chegam ao mercado português? Ou porque, como se viu nesta história do crédito "subprime' (crédito hipotecário de alto risco) a regulação dos bancos centrais está tão ultrapassada que, muitas vezes, nem percebe as operações que lhe passam debaixo do nariz?

No fim, quem se lixa é o mexilhão. O Expresso lá trazia na capa este sábado que o BdP desconfia do pequeno BPN... É assim mesmo!

Manuel Queiroz

4 comentários

  • Imagem de perfil

    ccor 29.01.2008

    Acha você e qualquer outra pessoa normal.

    Só estes indigentes que por aqui andam é que acham que a corrupção é um fenómeno de Lisboa para prejudicar o Porto........
  • Sem imagem de perfil

    BOCAS 29.01.2008

    Ó PÁ INDIGENTE ccor ....

    És mesmo Burro ! ...Claro que ela (a corrupção) é mesmo um Fenómeno com epicentro em LISBOA, que prejudica o PORTO e O Resto do PAÍS!!!

    Prefiro Pagar ao Manel Serrão ! ... que ao Santana Lopes, Paulo Portas e mtos outros Chulos Incompetentes!!!
  • Imagem de perfil

    ccor 29.01.2008

    Sim, azémola e a corrupção no Porto prejudica quem?

    Burro é quem te fez as orelhas...sabes quem foi?

    O teu problema não é o facto de seres enrabado, mas sim o de saber quem te enraba...preferes o Manel....é mais gordinho, faz mais peso....ehehhehhe

    toma lá mais para ver se aprendes algo...

    "...Que grande, que prodigiosa ideia para Portugal tem esta gente? Nenhuma. Desde Mário Soares que nem um político português teve, até hoje, uma só ideia para Portugal. Alguns tiveram ideias para se servirem a si mesmos, não vale a pena citar nomes, e outros tiveram ideias de enriquecimento sem causa. Outros ainda, recusaram a política para melhor poderem enriquecer nos conselhos de administração das empresas privadas que beneficiaram enquanto eram servidores públicos. Não vale a pena citar nomes. Mas vale a pena fazer a lista mental daqueles que reputámos de "muito inteligentes" e prometedores e ver a obra pública. Os chefes-de-fila deste movimento são Marcelo Rebelo de Sousa e António Vitorino, que passam por ter um pensamento quando mais não fazem do que defender agendas políticas pessoais, com mais perfídia ou simpatia. O país nada lhes deve. Nunca tomam posições incómodas que ameacem o poiso televisivo ou a necessidade de agradar para manter o lugar. Uma ideia política, algures? Não se vê. Estes Dupont e Dupond, contratados para serem os gémeos que falam, ilustram bem o que temos. Eles são o protótipo do bloco central e dos seus vícios e inércias de pensamento e de acção. De troca de favores, convites e galhardetes. Pareceres e opiniões. Quando descemos para casos mais banais, de pura ambição narcísica ou carreirista, não vale a pena citar nomes, a depressão instala-se. O país não tem quadros políticos ilustres, não tem think-tanks, não tem governantes suplentes, não tem dirigentes. Tem Sócrates e tem Cavaco. A Casa Branca pode ser o maior posto político do mundo, é também o mais duro de alcançar. Ouvir um Clinton falar de política, ouvir Obama, dá-nos essa qualidade obscura que tinha Churchill e que têm os grandes políticos. A convicção do serviço público. Estamos entregues a meretrizes, e as meretrizes não podem atirar pedras às meretrizes do poder económico, com as suas reformas, manobras e golpadas de milhões. Enquanto as nossas bolsas e carteiras entram em pânico, eles enriquecem. E enriquecem. E enriquecem....Clara P Correia in expresso"

  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2012
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2011
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2010
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2009
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2008
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2007
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub