Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

O problema dos sacos de plástico

Como estava distraído, só quando chegou a minha vez de pagar é que descobri por que é aquela fila do Jumbo de Gaia tinha menos gente do que as outras. Era a eco-caixa, uma invenção dos génios de marketing do grupo Auchan com o objectivo de ir habituando a freguesia a pagar dois cêntimos por cada saco de plástico.

Deram-me um folheto verde, onde se anunciava que “hoje é um bom dia para começar a mudar o Mundo” e se apresentava os novos sacos de dois cêntimos como “maiores, mais resistentes, reutilizáveis, totalmente degradáveis e com um processo de decomposição mais rápido e menos poluente”.

Os sacos “oxo-degradáveis” podem ser mesmo uma maravilha, mas eu senti-me enganado. E não foi por causa dos dois cêntimos. Hoje em dia já nem os arrumadores se dão ao trabalho de apanharem do chão as moedas escuras e pequeninas. Não. O que me desagradou foi a absoluta falta de criatividade da operação.

Não tenho absolutamente nada contra as tentativas das empresas de passarem custos para os consumidores. Estão no papel delas. O que eu exijo é que elas façam bem as coisas.

Quando o Lidl desembarcou em Portugal com o seu conceito de “hard discount” definiu, logo à partida, regras claras. Os preços são baixos, mas a variedade é diminuta e os sacos pagam-se. Ninguém vai lá ao engano.

Não vou ao Lidl se quero comprar pimentos recheados com barriga de atum. E quando lá vou, faço-me acompanhar de um saco azul do Ikea para transportar as compras.

O caso do Pingo Doce foi mais complicado, já que se tratou de mudar as regras a meio do jogo (os clientes estavam habituados a sacos de plástico de borla), e a venda dos sacos era parte integrante de uma mais vasta operação de reposicionamento da cadeia.

A admirável maestria com que os responsáveis do grupo Jerónimo Martins colocaram o Pingo Doce a combater o Lidl no segmento “discount” (com a vantagem das lojas serem mais agradáveis) e os hipermercados (juntando aos preços baixos a conveniência da localização) merece ser caso de estudo nas escolas de negócios. Passou a cobrar os sacos mas em troca deu preços mais baixos e afagou-nos o ego ecológico.

O Pingo Doce foi pioneiro no uso da retórica verde e ecológica para convencer a clientela a aceitar, com um sorriso nos lábios, pagar pelos sacos. Foi um enorme sucesso já que repassou custos para os clientes ao mesmo tempo que conseguia um real impacto ecológico, já que o consumo de sacos caiu brutalmente.

Dois anos depois, a Auchan tinha de fazer mais e melhor do que uma cópia desajeitada da estratégia da Jerónimo Martins. É tudo uma questão de dar e receber. E o Jumbo quer receber sem dar nada em troca.  

Eu não gostei da minha experiência na eco-caixa pindérica, pateticamente emoldurada num pórtico verde ao estilo dos que assinalam as chegadas das etapas da Volta a Portugal em bicicleta.

Não dei os dois cêntimos pelo saco “oxo-degradável”. A lata de feijão preto, o triângulo de brie e a baguete foram conviver com os jornais no saco a tiracolo que a Aldo me deu há meia dúzia de anos. E resolvi escrever esta crónica.

Jorge Fiel

www.lavandaria.blogs.sapo.pt

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de  Notícias 

 

4 comentários

  • Sem imagem de perfil

    XXX 20.10.2008

    «Os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão.»

    Eça de Queiroz
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 20.10.2008

    Agora percebo o cheiro a MERDA, na cidade do Porto!
  • Sem imagem de perfil

    XXX 20.10.2008

    Pois é....Esse cheiro sente-se sempre que tu "SeuMerdas" por aqui Passas.!!!!
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2012
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2011
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2010
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2009
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2008
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2007
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub