Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

O horror da Corrupção

 

Ainda a mexer um pouco mais na dita...  "Corrupção". O que eu espero de um filme é que as personagens tenham conteúdo. Neste "filme" só a Sofia e o Luís (o inspector da PJ) é que têm nome pr´prio. Os outros não - é uma opção possível do realizador.O problema é que a Sofia não tem passado nem futuro, o Presidente idem, o secretário também, a procuradora aspas, aspas e o mesmo do inspector. Existem mas não têm vida, não têm nenhuma modulação, não têm conteúdo, não se desenvolvem - são uma linha plana e única. A Sofia/Carolina sai relativamente bem, se é que alguém sai bem daquilo, porque até parece que tem corpo (e não tem). Basicamente não há trama, o enredo é paupérrimo - ao nível do que já se sabia. O futebol não existe, não aparece um jogador - o que se tomaria por uma opção para que a "coisa" fosse sobre o país. Mas acaba por não ser nada. A única coisa que pode ligar o espectador ao filme é ligar a personagem ao seu referente real, mas isso implica que o filme seja apenas de militância e não tenha nada a ver com arte. Não é possível dizer-se que se passou uma hora e meia bem passada a ver aquilo. É capaz de vir a ser um êxito de bilheteira, como o livro foi de vendas, porque o sistema mediático o permite. E porque, como no caso do livro, o conhecido Barbas é capaz de fazer uma promoção - quem for ao restaurante leva um bilhete de borla. Mas quem lá for vai chorar o dinheiro, digo-vos eu, que já chorei o meu. 

Ainda mais perto da dita...

Pois esta tarde - confesso aqui o meu pecado - fui ver o chamado 'filme'  ao Arrábida. Sala meio cheia (ou meio vazia) e só posso dizer que o filme é... uma bosta. Como diria um cinéfilo conhecido, "é pior que um filme português". Para quem quer dizer que o filme é só baseado no livro, é evidente que esse é mais um caso de corrupção - só lendo o livro se percebem várias cenas do filme, ou mesmo todo o filme. Ou seja, só mesmo o livro é que não é corrompido nesta história toda. Tirando as maminhas da Margarida, que lá aparecem no meio, creio que sem silicone, outros pontos de interesse  cinéfilo são... zero. Francamente, o João Botelho é capaz de fazer muito melhor. Mas o próprio produtor/autor e o JB dizem que foi uma encomenda, que teve que ser feito à pressa - mas mesmo à pressa, podia sair algo de razoável. As personagens não têm conteúdo nem dimensão, a ligação entre as cenas é nenhuma, o ritmo é zero. Senti-me verdadeiramente corrompido nos 5 euros e tal que gastei para o ver. Não me digam que ali há arte, que não há - eu pelo menos, humildemente, não a descortinei. É mesmo pior do que eu imaginava.  Aparecem até o João Malheiro (a sua maviosa voz) e também o Príncipe dos Queijos (vulgo Nelson Veiga, ex-jornalista e também ele bom adepto de um conhecido clube do Sul que não tem nada a ver com o filme nem com a estratégia que levou a que o livro e o filme existissem). Ah!, e aparece várias vezes também o Correio da Manhã, que também não tem nada a ver com nada. Muito perto de corrupção pura.... 

Perto da Corrupção

Ontem à noite estive um debate na RTP N com o João Botelho, ex-futuro (parece...) realizador do "Corrupção", e o Eduardo Paz Barroso sobre o famoso filme. Foi uma hora interessante, em que até deu para o JB fumar um cigarro em pleno estúdio. Defendia este que a sua "estética" não se podia rever no filme que está nos cinemas, que a montagem é tudo num filme (citando não sei quem...) e que tinha filmado uma mulher. O EPB falou da Carolina como Madame Bovary e do interessante que é o seu cinema ser sempre ficção. Eu retorqui que JB tinha feito um filme sobre um homem e que, sem ver o filme, o que se pode dizer dele é que nasceu de uma estratégia benfiquista que tinha a ver com futebol, não tinha nenhuma relação com arte, pelo menos nos motivos. Até porque quem conhece o JB e a sua amantíssima esposa Leonor, sabe que se levantam a pensar no Pinto da Costa e se deitam a pensar no mesmo e o filme é uma forma de sublimar estes seus desvios. E que ninguém iria ver nenhuma Madame Bovary na Margarida Vila-Nova a fazer de Carolina. Senti-me muito perto da corrupçao, sobretudo por causa da cara de 'artista' afivelada pelo JB.

 

Manuel Queiroz

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D