Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

A vantagem do IPod como repelente de chatos

 

 

O excesso de idade é uma coisa tramada e não me estou a referir aos mais banais malefícios do envelhecimento, como o facto da longínqua data do nosso desembarque neste mundo (eu sou de 56, o ano do Tratado de Roma) nos colocar automaticamente nos lugares cimeiros das listas de despedimento das empresas ineficientes. Devo reconhecer que fiquei incomodado quando, a semana passada, estava a flanar na Almedina do Arrábida Shopping, a fazer horas para ver o Greenberg (recomendo!), e dei de caras com um livro de auto-ajuda intitulado Encontrar Emprego Depois dos 50 – façanha tão provável como nascerem dentes na boca de uma galinha ou cabelos na cabeça de um careca.

O que me chateia mesmo é a fatalidade da quantidade de gente nossa conhecida aumentar em relação directamente proporcional com a idade e inversamente proporcional à capacidade da nossa memória - situação geradora de embaraços. Noutro dia, tropecei num tipo que aparentava conhecer-me de ginjeira, pois saudou-me com um franco: “Ó Fiel, tu estás redondo!”. O triste é que não se fez luz no meu espírito, apesar das coordenadas que ele, simpaticamente, ia debitando: que era o Monteiro, que tínhamos sido colegas na faculdade, que na altura ele usava barba, que eu tinha vagamente namorado com uma prima dele. Tive de assumir a derrota (“É pá, sabes, estou gagá!”), confessar envergonhado que não me conseguia lembrar dele, o que não foi uma saída airosa ou lisonjeira - nem para mim nem para ele.

Depois há aquelas pessoas em que tropeçamos e de que nos recordamos perfeitamente, mas melhor seria se não nos lembrássemos. Estou a falar daqueles chatos que levam a sério quando lhes atiramos o “Olá pá, está bom? A vida corre-te bem?”, com que apenas os queremos despachar, e devolvem-nos, na volta do correio, um relatório circunstanciado sobre a evolução da sua tensão arterial, bem como dos níveis de colesterol, triglicéridos e açúcar no sangue. Uma maçada!

Tenho pensado muito em truques para me desembaraçar de tipos pegajosos. Em O Turista Acidental, William Hurt usava, nas viagens de avião, a leitura de um livro como pára-raios face a vizinhos que estão sempre mortinhos por meterem conversa com o passageiro do lado. Eu ando a testar o Ipod como repelente de chatos. Tem dado um resultadão. Ter os ouvidos tapados com fones é um belíssimo álibi para evitar conversas embaraçosas com as pessoas que nos cumprimentam. Basta acenar-lhes, fazer o sorriso que quer dizer “agora não pá, estou a curtir a minha música” -  e manter a cabeça ocupada com algo realmente importante, como as belas poesias amargas das canções da Aimee Mann.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D